SoulRock

Música independente brasileira

Resenha - Grito Rock 2016 RP.

27 de abril de 2016 Resenhas /

grito23sesc1
Foto: Renata Prado / Coletivo Fuligem.

Por Joca Vita.

No último sábado, 23 de abril aconteceu às 16 horas no Auditório do Sesc Ribeirão, dentro da programação do Grito Rock 2016 Ribeirão Preto o bate papo com o tema A NOVA MÚSICA BRASILEIRA. Como esse tema prometia ir na direção do que aborda o Soulrockblog deixamos o conforto do sofá e da TV e fomos conferir de perto.
Os convidados são dois nomes conhecidos da cena musical independente nacional e regional. Ricardo Rodrigues, homem forte do Festival Contato que acontece todos os anos em São Carlos SP e dono da casa de shows GIG também localizada em São Carlos – SP e Eduardo Porto, baterista da banda Aeromoças e Tenistas Russas também de São Carlos – SP, ambos sócios na agência de artistas LET’S GIG BOOKING.

grito23sesc2
Foto: Renata Prado / Coletivo Fuligem.

Depois das devidas apresentações Ricardo Rodrigues põe pra fora a realidade que cerca a produção musical brasileira. A plateia, formada de jovens músicos e aspirantes a produtores ouve tudo concentrada aproveitando ao máximo as palavras do convidado. Ricardo Rodrigues fala sobre as dificuldades de se manter um espaço, com toda estrutura para a realização de bons shows. Conta a todos, como faz para fazer a conta bater no fim de todo mês, intercalando noites com Djs (festas temáticas) e shows de bandas e menciona a importância do poder público no apoio aos espaços fixos e a dificuldade da relação com o mesmo. Ricardo faz parte da Rede Brasil de Festivais e atua junto ao Ministério da Cultura, na elaboração de projetos.

Há dois meses Ricardo Rodrigues e Eduardo Porto lançaram no mercado a LE’TS GIG BOOKING, uma empresa agenciadora de carreiras de músicos (bandas) e logo de cara já incorporaram à sua grade de artistas o fenômeno Liniker e os Caramelows, simplesmente, a grande revelação do ano na Música Brasileira, entre outros artistas como Aeromoças e Tenistas Russas, Gabi Milino e Tássia Reis. Umas das falas de Ricardo, talvez ai mostrando que acredita realmente no negócio que montou, foi sobre a formação de um circuito de casas de shows espalhadas pelo país, que poderá viabilizar a circulação das bandas e tornar o negócio da música sustentável.

grito23sesc3
Foto: Renata Prado / Coletivo Fuligem.

Completando a rica abordagem de Ricardo Rodrigues, o baterista Eduardo Porto falou sobre a experiência a frente da banda Aeromoças e Tenistas Russas. A banda adotou a estratégia de investir numa circulação forte. Rodou o Brasil e foi parar até na Argentina. E de show em show a banda foi aperfeiçoando o mesmo, utilizando elementos visuais e merchandising, conquistando público até chegar no ponto de ser uma das principais bandas do circuito nacional. Eduardo Porto mostrou planilhas de gerenciamento e um alto nível de organização que hoje, com certeza utiliza em sua agência ao lado de Ricardo Rodrigues.

O Soulrockblog participou do debate vendo no depoimento dos participantes uma ruptura de paradigmas na produção musical independente brasileira, tanto do ponto de vista artístico como no modelo de negócio da música. Percebe-se que não mais existem fórmulas mágicas para o sucesso. O artista hoje, além de talento e originalidade deve ter uma visão empreendedora e deve ser organizado, se quer que seu trabalho adquira relevância. Entendemos que a economia colaborativa tem um papel importante, principalmente nos primeiros anos de atividade do artista, podendo ser vista inclusive como uma estratégia de inserção no mercado mas, sem a companhia da economia criativa a empreitada pode estagnar o artista no lugar comum. Ricardo Rodrigues e Eduardo Porto são o exemplo claro de que colaboração + criatividade podem ser as bases de um novo modelo de negócio para música. Parabéns ao Coletivo Fuligem e ao Sesc Ribeirão pela iniciativa.

Quem não foi perdeu.

Falamos sobre:

Conteúdo exclusivo:

Sobre o site:

O SOULROCK é um site que tratará a nova música independente brasileira. As conexões com o passado e suas reverberações com o futuro.Vai mostrar também a cena autoral ribeirão-pretana de um jeito jamais retratada.
O caldeirão está aberto.