SoulRock

Música independente brasileira

Continental Combo

10 de dezembro de 2014 Bandas /

continental
Foto: Manuela Ferreira


No início de 2003, com o fim da banda Momento 68, Sandro Garcia e Carlos Rodrigues juntaram-se ao baterista Rogério Meni para formar o Continental Combo.

O primeiro álbum da banda com título homônimo foi lançado em 2005 pela Monstro Discos.  O segundo disco batizado de “A Vida é um Mistério” veio em 2008 novamente através da Monstro, o álbum marcou também a entrada do guitarrista Carlos Nishimiya. Neste período a banda preparou dois shows tributos, tocando faixas dos Byrds e do Buffalo Springfield, em 2011 lançou seu terceiro disco “Conveniências na Cidade”, pelo selo Voiceprint.

Em 2012 o Continental Combo voltou ao seu formato original de trio, desde então vem realizando esporadicamente gravações destinadas ao seu 4º álbum. "Faroeste Blues" e “Recordar é Viver” são os singles extraídos destas sessões. A banda acaba de lançar um novo material no formato K7 com músicas inéditas, faixas ao vivo e covers.

Continental Combo:
Sandro Garcia:
Guitarra, Voz
Carlos Rodrigues: Contra-Baixo
Rogério Meni: Bateria e Percussão

Discografia:
2003 - Nova Manhã
EP/QMR # 05
2004 - O Homem Retalho EP/QMR # 08
2005 - Continental Combo (1º album) CD/Monstro Discos 065
2006 - Retiro EP/QMR # 012
2007 - Explanações Vídeo Compilação Vol.1 VCD/QMR # 013
2008 - A Vida é um Mistério (2º album) CD/Monstro Discos 106
2010 - Um Dia Melhor EP/QMR # 021
2011 - Conveniências na Cidade (3º album) VPB 131CD
2012 - Faroeste Blues - Single - QMR # 022
2013 - Recordar é Viver - Single QMR # 023
2014 - K7/2014 - QMR# 025

Ouça o Continental Combo:
http://continentalcombo.bandcamp.com/album/faroeste-blues-single


Todos os discos da banda estão disponíveis
para download no bandcamp:
http://continentalcombo.bandcamp.com

 

Falamos sobre:

Conteúdo exclusivo:

Sobre o site:

O SOULROCK é um site que tratará a nova música independente brasileira. As conexões com o passado e suas reverberações com o futuro.Vai mostrar também a cena autoral ribeirão-pretana de um jeito jamais retratada.
O caldeirão está aberto.